Mulheres e a revoluçao do 25 de abril ; entrevista Marilia Villaverde e Julia Matias

Começamos antes de falar da entrevista por citar um poema da

Maria Velho da Costa

Revolução e Mulheres

Elas fizeram greves de braços caídos.
Elas brigaram em casa para ir ao sindicato e à junta.
Elas gritaram à vizinha que era fascista.
Elas souberam dizer salário igual e creches e cantinas.
Elas vieram para a rua de encarnado.
Elas foram pedir para ali uma estrada de alcatrão e canos de água.
Elas gritaram muito.
Elas encheram as ruas de cravos.
Elas disseram à mãe e à sogra que isso era dantes.
Elas trouxeram alento e sopa aos quartéis e à rua.
Elas foram para as portas de armas com os filhos ao colo.
Elas ouviram falar de uma grande mudança que ia entrar pelas casas.
Elas choraram no cais agarradas aos filhos que vinham da guerra.
Elas choraram de verem o pai a guerrear com o filho.
Elas tiveram medo e foram e não foram.
Elas aprenderam a mexer nos livros de contas e nas alfaias das herdades abandonadas.
Elas dobraram em quatro um papel que levava dentro uma cruzinha laboriosa.
Elas sentaram-se a falar à roda de uma mesa a ver como podia ser sem os patrões.
Elas levantaram o braço nas grandes assembleias.
Elas costuraram bandeiras e bordaram a fio amarelo pequenas foices e martelos.
Elas disseram à mãe, segure-me aí os cachopos, senhora, que a gente vai de camioneta a Lisboa dizer-lhes como é.
Elas vieram dos arrebaldes com o fogão à cabeça ocupar uma parte de casa fechada.
Elas estenderam roupa a cantar, com as armas que temos na mão.
Elas diziam tu às pessoas com estudos e aos outros homens.
Elas iam e não sabiam para onde, mas que iam.
Elas acendem o lume.
Elas cortam o pão e aquecem o café esfriado.
São elas que acordam pela manhã as bestas, os homens e as crianças adormecidas

Apresentaçao da Marilia Villaverde
Nasceu em Lisboa em 1942.
Durante o tempo do facismo, participou nas lutas estudantis, tendo sido presa em Maio de 1962 com a leva dos 1.500 estudantes na Cidade Universitária. Referencia no Blo Mulheres cidadas da radio alma
Crise de 1962: Como a ditadura perdeu os estudantes | Esquerda
Foi fundadora do MDM – Movimento Democrático de Mulheres.
Depois do 25 de Abril foi eleita para a Direcção do Sindicato dos Escritórios, a primeira em Liberdade.
Actualmente é vice-presidente da Assembleia Geral da URAP – União de Resistentes Antifascistas Portugueses, tendo sido coordenadora nacional desta Organização entre 2009 e 2020.

Apresentaçao da Julia Matias

Julia Matias

Uma joven estudante assim temos dois pontos de vista de geraçoes diferentes sobre a revoluçao dos 25 de abril
Nasceu em Trás-os-Montes, em Vila Real, e vive em Lisboa há alguns anos. Estudou no Liceu Camões.
Hoje é estudante de Escultura na Faculdade de Belas-Artes de Lisboa. E uma Ativista Política. Co-responsável pela organização de eventos culturais no Clube Estefânia.

Para Marilia
A revoluçao do abril de abril de 1974 marca o fim do facismo em Portugal. Houve muitas lutas e resistencias contra o facismo…
1-A Marilia é presidente da URAP (Uniao dos resistentes antifacistas portugueses?)
Podia nos dizer o que é a URAP?
2-Quais são as suas atividades?
3-Foi recentemente publicado um livro sobre as mulheres presas. Porque este livro so agora?
Podia nos falar do conteudo do livro?
4-Como estamos a comemorar o 25 de abril 2022, 48 anos depois, podia nos dizer como viveu o 25 de abril de 1974 ?
5-O que mais a impressionou nesse dia?

Julia
1-O que é para si ser ativista politica
2-A julia não viveu o 25 de abril o que pensa que representa?
3-O que representa para si a passagem do facismo a liberdade? E para as mulheres?
4-Podia nos falar das leis facistes que mais a impresionaram ?
5-Relembra no seu mail o livro “Era Proibido” de António Costa Santos. Porque?

Marilia
6-Qual foi a participaçao das mulheres no 25 de abril?
7-A revoluçao do 25 de abril rompeu com a situaçao de submissao das mulheres e reabilitou os seus direitos?
8-Quais foram os progressos maiores?

Julia
Como vê o futuro?
Para que seria ainda necessario de lutar?


Marilia
Como encarra o futuro?
Quais são os temas que seriam mais necessarios defender hoje ?

enregistrement emission Marilia Villaverde et Julia Matias

Laisser un commentaire

Votre adresse e-mail ne sera pas publiée.